Cadeia de valor

A Cadeia de Valor pode ser descrita como o levantamento de toda ação ou processo necessário para gerar ou entregar produtos ou serviços a um beneficiário, permitindo uma melhor visualização do valor ou benefício agregado aos processos, e sendo utilizada amplamente na definição dos resultados e impactos de organizações.

Identificar os elos da cadeia de valor não significa mapear o organograma da organização e sim identificar como os processos se relacionam entre si, no desempenho das atividades desenvolvidas pela organização, a fim de satisfazer as necessidades dos clientes. Cada elo dessa cadeia de atividades está interligado.

Portanto faz-se necessária a construção de um desenho que explicite as interações entre os processos do Tribunal, mostrando as entradas e saídas, clientes e fornecedores internos e externos à organização.

Assim como o mapa estratégico conta a história da estratégia e seu desenho, a cadeia de valor mostra a visão por processos do TRE/PA e de que forma eles estão relacionados para entregar valor aos clientes da Justiça Eleitoral do Pará.

Na Cadeia de valor, estão identificadas:

  • Macroprocessos de governança: compreendem o conjunto de processos de trabalho relacionados à gestão das informações necessárias à formulação de políticas e diretrizes para o estabelecimento e consecução de metas institucionais. Orientam a alta administração do Tribunal no processo de tomada de decisão, focam na atuação dos gestores, e incluem ações de controle, medição e ajuste do desempenho organizacional.
  • Macroprocessos finalísticos: compreendem o conjunto de processos de trabalho que geram produto ou serviço que serão entregues ou percebidos pelo cliente externo. São essenciais à existência da organização, pois estão diretamente relacionados ao objetivo maior do órgão e recebem apoio de outros processos internos.
  • Macroprocessos de suporte: têm como principal característica prover apoio aos processos finalísticos e de governança, viabilizam o funcionamento coordenado e integrado dos vários subsistemas da organização. São essenciais à gestão efetiva do negócio, prestam apoio jurídico, administram os recursos do órgão, viabilizam a manutenção da máquina administrativa, através das aquisições de bens e serviços, manutenção predial, construções e reformas. Seus clientes são elementos do próprio sistema.
  • Clientes e fornecedores (internos e externos);
  • Produtos e serviços gerados pelos processos (saídas);
  • Insumos (entradas)
  • Conexões entre processos e entidades externas.

A seguir, o modelo de Cadeia de valor do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, produto da consultoria de governança realizada pela Secretaria de Auditoria Interna - SAUDI no ano de 2019, e que teve como cliente o Conselho de Governança do órgão, com o objetivo de formalizar a Cadeia de valor do TRE/PA.

Visão geral

Quando se elabora a Cadeia de Valor, permite-se ao gestor o afastamento da perspectiva tipicamente funcional da organização, visualizar, de maneira mais sistêmica e integrada, o funcionamento do conjunto de processos existentes e a compreensão das relações de causas e efeitos, suas interfaces e transversalidades, contribuindo na identificação de valor e benefícios agregados nos processos, e dos
resultados e impactos gerados.

Partindo da Cadeia de Valor, a Arquitetura de Processos é a estrutura que permite à organização identificar como seus objetivos estratégicos estão conectados aos recursos da empresa e ao trabalho realizado pelas pessoas no dia a dia da operação. A Arquitetura representa, de forma hierárquica e organizada, todos os processos do órgão. A partir dela a organização formaliza uma base de conhecimento necessária ao gerenciamento de seus recursos, produtos, serviços e de seus respectivos processos, bem como as relações existentes entre tais processos da organização.

 

Arquitetura de processos

O mapeamento consiste numa ferramenta de gestão de processos cuja finalidade é identificar as informações, o fluxo, as partes envolvidas, capacidades, competências e os recursos para atender todos os componentes necessários à consecução dos objetivos de um processo de negócio.
Dentre os principais benefícios da gestão de processos, podemos citar:
  • ganhos sobre a otimização da aplicação dos recursos humanos, materiais e financeiros do órgão, necessários para, por exemplo, melhorar o atendimento ao cidadão e, consequentemente, a satisfação percebida na prestação dos serviços;
  • identificação dos processos existentes, de modo a criar instrumentos de melhoria para o desempenho da organização como um todo;
  • serve para identificar os problemas, priorizar os mais urgentes e relevantes e entender as causas de acontecerem;
  • favorece a gestão do conhecimento;
  • melhora os insumos para a atividade de auditoria interna, e;
  • fortifica elementos estruturantes da governança em todos os níveis.